O PENSAR, SENTIR E VIVER MADALENENSE. UM ESPAÇO DE PARTILHA E DIÁLOGO QUE MARCA PELA DIFERENÇA E QUALIDADE
Quinta-feira, 17 de Julho de 2008
Cortejo de Oferendas

 

No passado Domingo a Comunidade Paroquial da Matriz de Santa Maria Madalena voltou a reunir-se em prol da sua Matriz.

Por toda a Paróquia foram recolhidos géneros que durante a tarde foram arrematados no centro da Vila, num ameno e cordial arraial abrilhantado pela Lira Madalense.

De dois pontos equidistantes saíram dois cortejos acompanhados pelas filarmónicas da casa, gente com ofertas nas mãos e carros ornamentados a preceito repletos dos frutos da terra e do trabalho dos homens e das mulheres da Madalena.

Deixamos aqui algumas fotos de mais este esforço dos Madalenenses, que somou 2.987 Euros a favor da dívida das obras de reconstrução da Matriz.

Bem hajam!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por magdala às 19:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 10 de Julho de 2008
Festas de Santa Maria Madalena

 

Presididas por Sua Excelência Reverendíssima Dom António José Rafael

Bispo Emérito de Bragança-Miranda

 

 

EUCARISTIA, DOM DE DEUS PARA A VIDA DO MUNDO


 

Novenário de Preparação

 

Domingo, 13 de Julho

12h00 – Eucaristia de Abertura do Novenário

Bênção do novo andor da Padroeira

15h30 – Cortejo de Oferendas e Arrematações

 

De 14 a 19 de Julho

18h30 – Celebração do Sacramento da Reconciliação

19h30 – Eucaristia

 

Domingo, 20 de Julho

12h00 – Eucaristia com a Celebração do Sacramento da Confirmação

 

Segunda-feira, 21 de Julho

19h30 – Eucaristia de Encerramento do Novenário

 

 

Solenidade de Santa Maria Madalena

 

               Terça-feira, 22 de Julho

11h00 – Eucaristia com Celebração do Sacramento do Baptismo

Animação Litúrgica pelo Agrupamento 904 do CNE da Madalena

 

12h00 – Bênção de viaturas e saudação à Padroeira

 

15h00 – Desfile de filarmónicas e saudação à Padroeira

 

       17h00 Solene Concelebração da Eucaristia, presidida por Sua Excelência  Reverendíssima D. António José Rafael, Bispo Emérito de Bragança-Miranda

 

           18h30 – Solene Procissão, onde se incorporarão os Fiéis, Organismos Paroquiais, Forças Vivas do Concelho, Autoridades e Filarmónicas.

 

 

Serviço da Palavra

 

            De 13 a 18 de Julho:

            Reverendo Padre Norberto Brum

            Pároco dos Ginetes, em São Miguel e

            Director Diocesano do Serviço de Apoio à Pastoral Juvenil e Universitária

 

            De 19 a 22 de Julho:

            Sua Excelência Reverendíssima D. António José Rafael

            Bispo Emérito de Bragança-Miranda



publicado por magdala às 20:42
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 9 de Julho de 2008
Festa de Santa Maria Madalena

 

 

 

 

Dentro de poucos dias iniciaremos a nossa preparação para a festa da nossa Padroeira, Santa Maria Madalena, deste ano da graça de 2008.

Tal como já registamos no post anterior, presidirá à festa deste ano Sua Excelência Reverendíssima Dom António José Rafael, Bispo Emérito de Bragança-Miranda, que presidirá ao último tríduo do novenário e à solenidade.

Convidamos para presidir e pregar aos primeiros seis dias da novena o Reverendo Pe. Norberto Brum, Pároco dos Ginetes na Ilha de São Miguel e Director do Serviço Diocesano de Apoio à Pastoral Juvenil e Universitária, ordenado sacerdote no ano 2000.

Este ano escolhemos para tema da festa o mesmo da vivência diocesana ao longo do ano pastoral 2007/2008 e do recente Congresso Eucarístico Internacional – “EUCARISTIA, DOM DE DEUS PARA A VIDA DO MUNDO”.

A Eucaristia de abertura do novenário será no Domingo 13 de Julho, ao meio-dia, em que apresentaremos à comunidade o novo andor da Padroeira que será abençoado nesse dia. Devido ao estado de degradação do antigo andor e tendo em conta que a necessária intervenção seria profunda, o que não se justificava devido à sua simplicidade, achamos por bem mandar construir um novo andor em talha dourada, que será uma peça de elevado valor artístico e que dignificará o transporte da imagem da Padroeira nas nossas procissões, enquadrando-se com a referida imagem e com a talha da capela-mor da nossa Matriz. O novo andor está a ser elaborado em São Miguel pelo mestre Gilberto Ferreira e será uma oferta da Câmara Municipal da Madalena à Padroeira desta Vila e Concelho, à qual desde já agradecemos em nome da Paróquia e de todos os devotos de Santa Maria Madalena.

No dia da abertura do novenário teremos o cortejo de oferendas, que pelas 15h30 sairá de junto da Escola Profissional do Pico e da Delegação das Obras Públicas convergindo para o Largo Cardeal Costa Nunes onde haverão arrematações e arraial pelas nossas filarmónicas, que acompanharão os referidos cortejos. Tal como nos anos anteriores, em cada uma das zonas da Paróquia as respectivas Irmandades organizarão as representações das suas zonas, nomeadamente: Outeiro e Vila – Irmandade da Terça-feira do Espírito Santo; Areia Larga – Irmandade de Nossa Senhora da Boa Viagem; Valverde – Irmandades da Segunda-feira do Espírito Santo e da Santíssima Trindade; Cabo Branco – Irmandade da Santíssima Trindade; Sete Cidades – Irmandade da Santíssima Trindade; Toledos – Salão Recreativo.

As novenas continuarão de 14 a 19 de Julho com a celebração do Sacramento da Reconciliação pelas 18h30 e Missa pelas 19h30. No Domingo 20 de Julho a novena será na Missa do meio-dia com a Celebração do Sacramento da Confirmação aos jovens que se preparam desde o início do ano pastoral. Encerraremos o novenário na vigília da festa, segunda-feira, 21 de Julho pelas 19h30.

No dia 22 de Julho, dia grande para esta Paróquia e Concelho vamos celebrar com todo o júbilo a Solenidade de Santa Maria Madalena. Pelas 11h00 haverá a Eucaristia com a Celebração do Sacramento do Baptismo, que será animada pelo Agrupamento 904 do CNE da Madalena. Ao meio-dia haverá a bênção das viaturas com a saudação à Padroeira. Pelas 15h00 desfilarão as sete de filarmónicas que se incorporarão na procissão que saudarão a Padroeira. Às 17h00 será a Solene Concelebração da Eucaristia, presidida por Sua Excelência Reverendíssima D. António José Rafael, Bispo Emérito de Bragança-Miranda e pelas 18h30 a Solene Procissão que percorrerá as principais artérias da vila, onde se incorporarão os Fiéis, Organismos Paroquiais, Forças Vivas do Concelho, Autoridades e Filarmónicas.

Desde a alguns anos a esta parte temos levado na procissão, além da imagem da Padroeira, as imagens de Nossa Senhora da Penha e do Sagrado Coração de Jesus. Este ano levaremos da nossa procissão em vez da imagem de Nossa Senhora da Penha a veneranda imagem de Nossa Senhora de Lurdes, uma vez que este ano estamos a celebrar os 150 anos das suas aparições a Santa Bernardete.

Tal como nos últimos anos convidámos para transportar os andores as Irmandades da Paróquia, às quais desde já agradecemos e fazemos novamente o apelo para que os senhores designados para tal façam o sacrifício de se apresentarem com o seu fato festivo, pois esta é uma simples forma de dignificarmos a nossa procissão e de certo que todos facilmente concordarão de que a forma como nos apresentamos num acto religioso deverá ser diferente da forma como vamos para os lugares de lazer e diversão… Fica o apelo à vossa compreensão e colaboração!

De referir ainda que a abertura oficial das nossas festas acontecerá na Igreja Matriz pelas 21h00 da sexta-feira, 18 de Julho, com a actuação do Coro Misto Madalena.

Exorto toda a comunidade à vivência da festa da Padroeira acolhendo os apelos que o Senhor nos faz por intermédio do testemunho de vida e de fé de Santa Maria Madalena.

Não nos esqueçamos que para a festa ser bem vivida terá que ser bem preparada, por tal motivo é que teremos o novenário de preparação que através da Palavra proclamada e explicada, pela participação da mesa Eucarística e pelo sacramento do Perdão, de certo nos preparará da melhor forma possível para fazermos a festa de toda a comunidade confiada à protecção de Santa Maria Madalena.

A todos desejamos umas santas e felizes festas.

 



publicado por magdala às 01:09
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 8 de Julho de 2008
Sua Excelência Reverendíssima D. António José Rafael

 

Bispo Emérito de Bragança-Miranda

Preside às Festas de Santa Maria Madalena

 

A convite do nosso Venerando Bispo, D. António de Sousa Braga, este ano presidirá às Festas de Santa Maria Madalena, Sua Excelência Reverendíssima, o Senhor D. António José Rafael, Bispo Emérito de Bragança-Miranda.

Será com enorme alegria e satisfação que esta Matriz de Santa Maria Madalena acolherá tão ilustre figura do episcopado português.

D. António Rafael presidirá ao último tríduo da novena e à Festa da Padroeira, ministrando o Sacramento da Confirmação, no Domingo 20 de Julho, aos jovens da Paróquia que desde o início deste ano pastoral se preparam para celebrar o Santo Crisma. 

D. António José Rafael nasceu em Paradinha, concelho de Moimenta da Beira, em 11 de Novembro de 1925. Foi ordenado sacerdote, em 22 de Agosto de 1948 e licenciou-se em Filosofia pela Pontifícia Universidade de Salamanca.

Em Dezembro de 1976 foi nomeado pelo Papa Paulo VI, Bispo auxiliar de Bragança e Bispo Titular de Budua. Foi sagrado Bispo em 13 de Fevereiro1977, na Sé Catedral de Lamego, entrando solenemente na Diocese de Bragança, em 19 de Março de 1977 e a 1 de Março de 1979, é tornada pública a notícia de que Sua Santidade João Paulo II o havia nomeado Bispo Residencial de Bragança e Miranda, onde permaneceu até 13 de Junho de 2001, data da sua resignação.

Ao longo dos mais de vinte anos que governou a Diocese de Bragança-Miranda, fez uma obra importante, quer espiritual, quer material, mas a mais significativa relaciona-se com a construção da nova Sé Catedral. Também conseguiu, obter da Santa Sé, o título de Concatedral para a antiga Sé de Miranda do Douro, a qual se encontrava reduzida a mera Igreja Paroquial. Actualmente reside na sua terra natal.



publicado por magdala às 18:40
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Julho de 2008
Um ano a caminhar com São Paulo

 

Em comunhão com a Igreja Universal, vamos celebrar o Ano Paulino, entre 28 de Junho de 2008, Vigília da Solenidade de S. Pedro e de S. Paulo, até 29 de Junho de 2009. Para comemorar os 2.000 anos do nascimento do Apóstolo das Gentes. Assim o promulgou Bento XVI, que, ao mesmo tempo, convocou para Outubro de 2008, o Sínodo dos Bispos sobre a Palavra de Deus na Vida e na Missão da Igreja.
 
Apóstolo da Palavra
S. Paulo é o grande Apóstolo da Palavra. O Ano Paulino será uma oportunidade, para sublinhar de novo o Primado da Palavra na vida cristã e na missão da Igreja. Aprofundando o conhecimento das Cartas de S. Paulo.
Após a Celebração do Grande Jubileu da Encarnação, a Diocese promoveu um Triénio Pastoral sobre a Palavra. Nos últimos anos, a nossa atenção incidiu na Pastoral do Domingo, centrado na Eucaristia. Não são alternativa uma à outra, mas complementares. Convocada pela Palavra, a comunidade cristã tem o seu centro e vértice na Eucaristia. «Mistério da Fé», a Eucaristia só pode ser celebrada e vivida à luz da fé. E, como adverte S. Paulo, «a fé nasce da pregação e o instrumento da pregação é a Palavra de Cristo» (Rm 10, 17).
Foi a perspectiva do Concílio Vaticano II, que valorizou sobremaneira a Liturgia da Palavra. O episódio dos discípulos de Emaús ilustra bem esta complementariedade entre Liturgia da Palavra e Liturgia Eucarística. «Reconheram-No, ao partir do pão» (Lc 24, 25), porque antes a sua inteligência fora iluminada pelas Escrituras e o seu coração abrasado pela Palavra do Senhor.
O Ano Paulino constitui, pois, um forte apelo a dar o devido lugar à Palavra. Desta feita, redescobrindo a riqueza dos escritos do Apóstolo das Gentes. Para propor e transmitir a fé na sociedade actual. Com Paulo e como Paulo.
As suas Cartas são continuamente proclamadas na Liturgia. Mas, pouco comentadas nas homilias, que normalmente privilegiam o tema unificado da 1ª leitura e do texto evangélico, descurando a aplicação paulina da 2ª leitura.
«Neste Ano Paulino, temos de pressentir por que caminhos nos conduziria Paulo, se partilhasse hoje, connosco, a missão evangelizadora da Igreja… Paulo foi o maior evangelizador de todos os tempos. Ele continua a ser exemplo inspirador do ardor da evangelização e da natureza específica do anúncio querigmático» (Nota Pastoral da CEP, Ano Paulino: Uma Proposta Pastoral, 2008, nº 4).
 
Anúncio querigmático
Tanto para os que estão longe ou se afastaram da Igreja, como para os praticantes regulares e irregulares. Urge anunciar de novo e de maneira renovada Cristo Jesus. Oportunamente e inoportunamente. Na preparação e celebração dos Sacramentos, nas festas da Catequese e dos Padroeiros. Com a frescura e o ardor do 1º anúncio. Como Paulo. Ele é o grande guia da «Nova Evangelização» ou re-evangelização.
A Paróquia não é uma espécie de «clube de perfeitos». Nem um «gabinete de controle» da fé, no seio da comunidade. Também não é «estação de serviço», para satisfazer usos e costumes sociais. É sinal e instrumento de salvação, trazida por Cristo.
É preciso acolher as pessoas assim como são. Sem fingir que tenham motivações de fé, que tantas vezes não têm. Ou está esmorecida. Trata-se de anunciar o Kerygma, todas as vezes que aparecem e trazem os filhos à catequese, pedem os sacramentos ou o funeral religioso para um ente querido.
Mas, atenção! O Kerygma não é como uma «pastilha elástica», que, quanto mais se mastiga, mais perde o sabor. Não é para repetir mecanicamente. O anúncio deve ter presente a sensibilidade e a linguagem das pessoas, os seus problemas e interesses. Sem querer impor o Evangelho. A evangelização é proposta.
Nós, pastores, não somos meros gestores de uma empresa. Como Paulo, somos missionários, que anunciam Jesus Cristo, em todas as circunstâncias. Não temos, pois, que ficar amargurados com a indiferença religiosa. Nem sentirmo-nos incomodados, quando as pessoas aparecem. Nós é que devíamos procurá-las. Se vêm, melhor.
«Paulo protagonizou, na sua experiência de Apóstolo, o alargamento do horizonte dos destinatários do Evangelho, problema actual, na relação da Igreja com a sociedade… A Igreja também hoje corre o risco de limitar o anúncio de Jesus Cristo àqueles, que continuam no seu redil, compreendem a sua linguagem e conhecem as suas leis e tem dificuldade em anunciar Jesus Cristo a uma sociedade cada vez mais secularizada» (Ibid.).
S. Paulo interpela-nos, no sentido de reconduzir toda a acção pastoral ao seu núcleo central, que é a Pessoa de Cristo, sem o que não há verdadeira evangelização.
A urgência da evangelização em Paulo brota do seu amor apaixonado por Cristo. Converteu-se, não por ter descoberto uma doutrina, fruto de mera reflexão humana, mas por ter encontrado Cristo, na estrada de Damasco. A partir daí, uma nova luz inundou a sua vida, que mudou.
Ter fé não é apenas acreditar em verdades, mas aceitar Cristo como norma decisiva da própria existência. Foi o que viveu e ensinou Paulo. Nas suas Cartas, ele refere a dimensão da fé como conhecimento, mas insiste muito sobre a pessoa de Cristo, como objecto concreto da fé. O complemento normal do verbo «crer» é Jesus Cristo.
 
Catequese catecumenal
A «obediência da fé» (Rom 1, 5), que «actua pela caridade» (Gal 5, 6) e nos abre ao horizonte da esperança (cf. Rom 8, 24), é processo progressivo de identificação com Cristo, na Sua Morte e Ressurreição. Somos baptizados com Cristo, na Sua morte, para ressuscitarmos com Ele, para uma vida nova (cf. Rom 6, 4).
«Paulo distingue a pregação querigmática - em que faz o anúncio de Jesus Cristo – da catequese às Igrejas, para o aprofundamento da identificação com Cristo…» (Ibid.). As Cartas, dirigidas às comunidades cristãs, são o seu principal instrumento catequético.
Aprofundando o seu conhecimento, neste Ano Paulino, poderemos aperfeiçoar a nossa catequese, como processo contínuo de iniciação cristã, em estilo catecumenal, que vai concretizando a semente de vida nova, recebida no Baptismo. Tanto a Catequese da Infância e da Adolescência, como dos Jovens e dos Adultos. Sem deixar de ser doutrina, a Catequese, a todos os níveis, é sobretudo iniciação à prática da vida cristã.
Por isso, neste Ano Paulino, não se trata apenas de promover Cursos e Jornadas, para saber mais coisas sobre os escritos do Apóstolo. Trata-se, sobretudo, de deixar-se guiar por Paulo, na progressiva configuração da própria vida com Cristo, para chegar a afirmar com ele e como ele: «Para mim, viver é Cristo» (Fil 1, 21). «Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim» (Gal 2, 20).
Daqui a utilidade do subsídio catequético - «Um ano a caminhar com S. Paulo» - proporcionado à CEP pelo Patriarcado de Lisboa e a Diocese de Coimbra. Para cada semana do ano. Destinado a todos os que desejarem reviver, catecumenalmente, o próprio Baptismo, a nível individual ou em grupo (famílias e movimentos, pastoral juvenil e grupos paroquiais…).
Na Diocese, este subsídio catequético estará disponível nas Livrarias Católicas de Angra, de Ponta Delgada e da Horta. Outros subsídios serão proporcionados pela Família Paulista (Padres, Irmãs e Pias Discípulas).
 
Experiência comunitária
«Na sua catequese, Paulo não separa a vida pessoal do cristão da vida da Igreja: o cristão caminha em Igreja… Catequizando as Igrejas, faz uma catequese sobre a Igreja.
Paulo acentua, antes de mais, a identificação da Igreja com o próprio Cristo… A Igreja é a nova dimensão do Corpo de Cristo, a nova fase do Mistério da Encarnação (cf. 1 Cor 12, 27; Rom 12, 5).
«O facto de as Igrejas serem a expressão da Igreja que Jesus Cristo quer e ama, faz da comunhão, na fé e na caridade, a grande exigência da unidade. Esta unidade não é uniformidade humana, mas a participação da unidade de Cristo com o Pai, no Espírito. Paulo exprime quase sempre esta dimensão transcendente da comunhão e da unidade, nas saudações com que inicia as suas Cartas às Igrejas (cf. Rom 1, 7; 1 Cor 1, 3).
«A unidade das Igrejas é preocupação contínua de Paulo…A efervescência carismática, em algumas Igrejas daquele tempo é um problema real para esta construção da unidade. Os princípios que o orientam são de uma actualidade flagrante: não há dons do Espírito para benefício individual, mas são dons para toda a Igreja e só esta é o juiz do seu discernimento (cf. 1 Cor 12-14; Rom 12, 3-8; Ef 4, 1-16).
O Ano Paulino é, pois, ocasião propícia para «uma reflexão pastoral sobre a verdade da Igreja e a maneira de construir a unidade da comunhão, na imensa variedade de carismas, que voltaram a enriquecer a Igreja do nosso tempo» (Ibid, nn 5-6).
 
«Um ano a caminhar com S. Paulo»
O próximo ano pastoral vai, ser, portanto, marcado pela celebração do Ano Paulino, que teremos presente nas Orientações Diocesanas para 2008/09.
Entretanto, recomendo que, nas Paróquias, se assinale devidamente a abertura do Ano Paulino, na Solenidade de S. Pedro e S. Paulo. Eu presidirei à Missa da Vigília, na Paróquia dos Mosteiros e à liturgia da Solenidade, na Matriz de Ponta Delgada. Tenciono também presidir ao encerramento do Ano Paulino, na Ribeira Quente, única paróquia da Diocese, dedicada a S. Paulo.
Nesta conformidade, aplicando à Diocese o Decreto da Penitenciária Apostólica sobre o Ano Paulino (10 de Maio de 2008), determino que, cumpridas as habituais condições, podem lucrar Indulgência Plenária os fiéis que participarem:
* Na solene abertura e encerramento do Ano Paulino, em qualquer igreja.
* Em celebrações evocativas do Apóstolo, realizadas na Paróquia de S. Paulo, Ribeira Quente.
* Nas festas cristológicas, seja dos Santuários Diocesanos de S. Miguel, Pico e S. Jorge, como das paróquias da Praia do Almoxarife (Faial) e da Fazenda das Flores e bem assim da igreja de Santo Cristo em Santa Cruz da Graciosa.
* Nas festas marianas, seja dos Santuários da Conceição e da Serreta (Terceira), como das capelas de Nossa Senhora de Fátima em Santa Maria, de Nossa Senhora da Paz em Vila Franca, de Nossa Senhora do Pranto no Nordeste, de Nossa Senhora das Mercês no Convento das Clarissas e bem assim da paróquia de Vila Nova do Corvo.
Contanto que haja referência celebrativa à figura apostólica de S. Paulo.
* Na Semana das Romarias Quaresmais, com igual evocação de S. Paulo, lendo e meditando, cada dia, extractos das suas Cartas.
Sei que hoje já não estamos habituados a ouvir falar de indulgências. No entanto, esta antiga prática da Igreja, se devidamente compreendida, pode ajudar-nos a celebrar e a viver o Ano Paulino, como momento especial de graça e de conversão. Efectivamente, com a confissão e o perdão da culpa no Sacramento da Reconciliação, não fica consumada a nossa conversão. Há toda uma caminhada de «purificação» - nesta ou noutra vida - com vista a curar as feridas, provocadas pela desordem moral: verdadeiro «padecimento», que a tradição chama «pena» do pecado, expiada precisamente pela prática da indulgência, participação nos tesouros espirituais da «comunhão dos santos».
Não de forma automática. Não se trata de sobrepor a acção humana à gratuidade de Deus. O que está em causa é a resposta livre do ser humano ao amor gratuito de Deus, que exige uma real mudança de vida, um longo caminho de «purificação». Nesse sentido a prática da indulgência pressupõe boas disposições interiores e o cumprimento de determinadas condições, que as suscitam e fortalecem: Confissão Sacramental, Comunhão Eucarística e Oração segundo as intenções do Sumo Pontífice.
É nesta perspectiva do mistério da graça divina, tão evidenciada por S. Paulo, que nos propomos celebrar e viver o Ano Paulino, para darmos razões da nossa esperança. Tesouro, que levamos em vasos de barro. Para que resplandeça claramente o poder de Deus e a gratuidade do Seu amor. «Como é imensa a riqueza de Deus, a Sua sabedoria e ciência! Quem poderá explicar os Seus planos e compreender os Seus caminhos? Bem diz a Escritura: “Quem é que conhece os pensamentos do Senhor? Quem pode dar conselhos a Deus? Quem é que Lhe pode dar alguma coisa, para depois receber a paga”? É que tudo veio de Deus e tudo existe por Ele e para Ele. A Deus seja dado louvor por todo o tempo. Ámen» (Rom 11, 33-36).
 
 
+ António, Bispo de Angra
Angra, 23 de Maio de 2008


publicado por magdala às 01:49
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
A partir de 20 de Março de 2009
geocontador
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Arquivos

Julho 2014

Junho 2014

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Favoritos

Magdala

Hiperligações
Mapa
Globo
Países
blogs SAPO
subscrever feeds