O PENSAR, SENTIR E VIVER MADALENENSE. UM ESPAÇO DE PARTILHA E DIÁLOGO QUE MARCA PELA DIFERENÇA E QUALIDADE
Domingo, 15 de Abril de 2007
A PAZ ESTEJA CONVOSCO!!!


publicado por magdala às 04:32
link do post | comentar | favorito
|

EIS AQUELE QUE NOS DÁ A VIDA


publicado por magdala às 04:30
link do post | comentar | favorito
|

O SENHOR RESSUSCITOU! ALELUIA!


publicado por magdala às 04:29
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Abril de 2007
A VITÓRIA DA VIDA

 

            Páscoa significa «passagem». Inicialmente, a Páscoa era festa de pastores, na passagem de estação. Os hebreus fizeram dela «memorial» da libertação do Egipto. Para os cristãos é a festa principal do ano litúrgico, em que se «comemora» a Páscoa de Cristo: passagem deste mundo para o Pai, da Paixão à Ressurreição, da morte à vida; «passagem» de Deus, que outrora libertara o povo oprimido no Egipto e, na manhã de Páscoa, ressuscita Jesus, primícia de uma nova humanidade.

 

            1. «Este homem, que vós entregastes e eliminastes, Deus ressuscitou-O» (Act 2, 24). Foi o testemunho dos Apóstolos, transmitido de geração e geração. É o fundamento e o núcleo central da fé cristã. A nossa fé, como a dos Apóstolos, nasce e fundamenta-se na Páscoa. Jesus ressuscitou e está vivo no meio de nós, como Salvador, que liberta e realiza as mais profundas aspirações humanas.

 

            A Páscoa é a resposta do Pai à morte do Filho na Cruz, naquele extremo despojamento, que nos escandaliza e nos deixa perplexos. Como nos escandalizam e nos deixam perplexos a dor humana e o sofrimento dos inocentes, a injustiça e a violência, no meio do silêncio insuportável de Deus.

 

            Deus rompe o silêncio na Páscoa, que rasga para humanidade um caminho de vida com abundância. Com a Ressurreição, o madeiro da Cruz converte-se em árvore de vida. Cristo-Cabeça arrasta na Sua vitória os membros do Corpo. O destino da humanidade é o triunfo da vida.

 

            2. É esta esperança, que celebramos na festa da Páscoa e na «Páscoa da Semana», que é o Domingo, Dia do Senhor Ressuscitado, que Se faz presente no Mistério Eucarístico, «memorial» da Sua Páscoa, que renova todas as coisas.

         A Eucaristia Dominical não é simplesmente rito, desligado da vida. É semente e projecto de transformação do mundo. Participar na Eucaristia e «viver segundo o Domingo» é «comemorar», isto é, «fazer memória», e, portanto, tornar presente e actuante a vitória pascal de Cristo.

 

            «Por isso, é necessário que, na Igreja, este mistério santíssimo seja verdadeiramente acreditado, devotamente celebrado e intensamente vivido – exorta o Papa Bento XVI, na sua recente Exortação Apostólica Pós-Sinodal, Sacramentum Caritatis (nº 94).

 

            O documento papal não constitui um retrocesso em relação à reforma litúrgica, actuada a partir do Concílio Vaticano II, como chegou a ser insinuado nalguns MCS. As dificuldades encontradas «não podem ofuscar a excelência e a validade da referida renovação litúrgica, que contém riquezas ainda não plenamente exploradas» (Ibid., 3). A intervenção do Papa vai precisamente no sentido de dar qualidade às celebrações eucarísticas, valorizando o património bimilenar da Igreja, sem descurar a «inculturação da fé», que recomenda (cf. Ibid., 54). Como recomenda às Conferências Episcopais de verificarem a eficácia pastoral do percurso actual da iniciação cristã, para ver qual é o melhor seguimento a dar à preparação e à recepção dos Sacramentos, de modo a ajudar os fiéis a centrarem a vida cristã na Eucaristia. Reflexão esta que, eventualmente, poderia colocar a 1ª Comunhão depois do Crisma.

 

            3. Mas estas recomendações não foram notícia. O que foi notícia foi o latim, o gregoriano, o celibato dos padres e a comunhão dos divorciados recasados. E afinal de constas, o Papa limitou-se a apresentar as propostas dos Padres Sinodais. Falando das grandes concelebrações em encontros internacionais, referiu a óbvia conveniência de as partes fixas da Missa serem em latim (não as leituras, a homilia e a oração dos fiéis). O que já é prática corrente. Como é igualmente prática corrente, também entre nós, recorrer, de vez em quando, à melodia gregoriana.

 

            Quanto aos temas candentes do celibato e da comunhão, o Santo Padre confirma as orientações actuais da Igreja, conforme sugerido pelo Sínodo dos Bispos. Não se pode dizer que não haja problemas pastorais em aberto. A sua solução irá amadurecendo no seio da Igreja, sem rupturas, nem cedências à moda do momento, mas na fidelidade ao Espírito. Ele é que guia a Igreja. Não as correntes de opinião, nem os MCS…

 

            A Igreja, seguindo o Seu Mestre, quer estar ao serviço da humanidade, assumindo as suas causas, segundo o projecto de Deus. Não detém as soluções técnicas dos problemas da convivência humana. Mas aponta a meta e alimenta a esperança da vitória pascal da vida e da história, que compromete os cristãos no «testemunho público da própria fé».

 

            Feliz Páscoa! São os meus votos, que exprimem o propósito e o compromisso da Igreja, para dar razões da sua esperança, não só com palavras, mas também e, sobretudo, com obras e em verdade.

 

+ António, Bispo de Angra



publicado por magdala às 18:55
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 10 de Abril de 2007
O LAVA PÉS

 

O Lava-pés... Um gesto apenas?

 

Talvez seja assim para muita gente...

Mas para Cristo, Não.

Para Ele, o gesto não é só encenação.

É muito mais do que isso...

Mais do que ensinamento até...

É vida...

 

LAVAR OS PÉS...

que quer dizer isso para nós ?

 

LAVAR OS PÉS...

é dobrar-se à angústia de um irmão,

é suavizar-lhe a dor

ao invés de torná-la mais atroz

impondo-lhe a dor da solidão.

 

LAVAR OS PÉS...

é reconhecer a dignidade do nosso irmão,

fazer com que ele se sinta pessoa humana,

irmão e companheiro de viagem,

filho de Deus e herdeiro de um Reino

que o sangue de Cristo nos mereceu...

 

LAVAR OS PÉS...

É ter a coragem de por-se à sua disposição

e dizer-lhe sem reserva:

“Amigo, podes contar comigo”.

 

LAVAR OS PÉS...

não é ficar de pé de braços cruzados,

indiferente ao que se passa ao nosso redor...

É dizer com generosidade: “Tenho tempo”.

É participar da vida com a nossa vida.

É ter a coragem de comprometer-se...

 

 

LAVAR OS PÉS...

é assumir funções e cargos na comunidade,

não como um pedestal,

para satisfazer o teu orgulho, a tua vaidade,

o teu amor próprio, ou pior, os teus interesses...

Mas para servir,

para promover o bem comum

a paz das famílias

o progresso da comunidade...

para ajudar os pobres e os carentes

a terem condições mais dignas de vida...

 

LAVAR OS PÉS...

é o carinho do esposo

que sabe respeitar a esposa

na sua dignidade de mulher...

É ser amigo... sincero e fiel,

considerá-la o seu complemento

na alegria e no sofrimento...

 

LAVAR OS PÉS...

é a dedicação da esposa amável,

que tudo faz para tornar mais humana

a vida do esposo... dos filhos... e do lar...

promovendo sempre a paz, fruto do amor...

 

LAVAR OS PÉS...

é a alegria e compreensão dos filhos

que valorizam tantos trabalhos  humildes

mas tão importantes dos seus pais.

 

AMIGOS, não vos parece

que está na hora de também nós iniciarmos

a famosa operação  do “Lava-pés”,

iniciada por Cristo ?

 

“Se eu, que sou o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés,

assim também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros”...

 

Sim, já está na hora de vivermos com coragem

a nossa grandiosa missão de cristãos...            

 

                                                  P.A.



publicado por magdala às 18:45
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 1 de Abril de 2007
EIS A TUA MÃE!


publicado por magdala às 03:36
link do post | comentar | favorito
|

SEMANA SANTA NA MATRIZ DE SANTA MARIA MADALENA

    Durante a Semana Santa, a Igreja celebra os mistérios da salvação vividos por Cristo nos últimos dias da Sua vida, a começar pela entrada messiânica em Jerusalém.

    Deixamos aqui os horários das várias celebrações na nossa Igreja Matriz. Esperamos que toda a Paróquia se disponha a viver os principais acontecimentos da nossa fé, a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Domingo de Ramos na Paixão do Senhor

 

    11h45 – Bênção dos ramos no Império do Divino Espírito Santo

    Procissão até à Matriz

    12h00 – Missa

 

Terça-Feira Santa

 

    15h00 – Exposição e Adoração ao Santíssimo Sacramento

    18h00 – Via-Sacra

    18h30 – Missa

 

Sagrado Tríduo Pascal

 

    Todos os anos, no Sacratíssimo Tríduo do Crucificado, Sepultado e Ressuscitado ou Tríduo Pascal, que se celebra desde a missa vespertina de Quinta-Feira da Ceia do Senhor até ao Domingo da Ressurreição, a Igreja celebra, em íntima comunhão com Cristo seu Esposo, os grandes mistérios da redenção humana.

 

Quinta-Feira Santa

 

    Quinta-Feira Santa é o dia da Eucaristia, do Sacerdócio e do Mandamento Novo do Amor.

 

       19h30 – Missa da Ceia do Senhor e Lava-Pés

    Adoração do Santíssimo Sacramento durante toda a noite.

       A partir da meia-noite, porém, a adoração far-se-á sem solenidade.

 

    Tal como nos últimos dois anos vamos permanecer junto do Senhor durante toda a noite. Distribuímos as horas da noite pelas zonas da Paróquia, fazendo um apelo à presença dos fiéis, acompanhando em oração silenciosa as derradeiras horas do Salvador. Desde o amanhecer até à Celebração da Paixão esta adoração continuará, sendo assegurada pela Confraria do Santíssimo Sacramento.

 

    01h00 – 02h00 – Valverde

    02h00 – 03h00 – Areia Larga

    03h00 – 04h00 – Outeiro e Centro da Vila

    04h00 – 05h00 – Toledos

    05h00 – 06h00 – Carmo e Colégio

    06h00 – 07h00 – Sete Cidades e Biscoitos

    07h00 – 08h00 – Cabo Branco e Bicadas

 

Sexta-Feira Santa

    Na Sexta-Feira Santa, a Igreja celebra a morte salvadora de Cristo. No acto litúrgico da tarde, medita na Paixão do seu Senhor, intercede pela salvação do mundo, adora a Cruz e comemora o seu próprio nascimento do Lado aberto do Salvador.

 

        10h00 Oração de Laudes

    15h00 – Celebração Litúrgica da Paixão e Morte do Senhor

        20h00 – Via-Sacra

        Procissão do Senhor Morto

 

                Sábado Santo

 

    A Vigília Pascal, na noite santa em que o Senhor ressuscitou, é considerada como a “mãe de todas as santas vigílias”, na qual a Igreja espera em vigília a ressurreição de Cristo e a celebra nos sacramentos.

 

            10h00 Oração de Laudes

            22h30 – Solene Vigília Pascal

 

Domingo da Ressurreição

 

    Cristo ressuscitou! É o pregão da manhã de Páscoa, pois esta é a festa das festas, o dia por excelência de Cristo Senhor. Aleluia!

  

              11h00 – Procissão do Senhor Ressuscitado

              Missa Solene de Páscoa

 

 



publicado por magdala às 03:23
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
A partir de 20 de Março de 2009
geocontador
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Arquivos

Julho 2014

Junho 2014

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Favoritos

Magdala

Hiperligações
Mapa
Globo
Países
blogs SAPO
subscrever feeds