O PENSAR, SENTIR E VIVER MADALENENSE. UM ESPAÇO DE PARTILHA E DIÁLOGO QUE MARCA PELA DIFERENÇA E QUALIDADE
Sábado, 7 de Abril de 2012
Mensagem de Páscoa do Senhor Bispo de Angra

 

PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO: A CORAGEM DA ESPERANÇA


1. Páscoa é «passagem»: da morte à vida, da Paixão à Ressurreição. O Calvário, que culmina com a Morte na Cruz, é caminho que conduz à vitória da vida. São estas duas faces da mesma moeda, que definem o «Mistério Pascal», na sua inteireza: a Paixão desemboca na Ressurreição; não há Ressurreição sem Paixão.

«Ad augusta per angusta» – diziam os antigos: só se chega a coisas sublimes por caminhos estreitos. O que equivale a dizer: tudo o que vale custa. Nada se consegue sem sacrifício. Foi assim com Cristo, o protótipo do homem perfeito. Será assim para todo o discípulo, que segue os «passos» do Mestre.

A Páscoa de Jesus é, pois, mensagem de esperança. Esperança certa no futuro, apesar das dificuldades e contrariedades da vida e da história. Mesmo no meio de todos os sacrifícios, que não são finalidade em si mesmos, mas caminho para uma vida renovada. Como nos garante Cristo Crucificado e Ressuscitado: o que aconteceu à «Cabeça» será também o destino do «Corpo». «O Seu caminho é também o nosso caminho».

Portanto, o rumo está traçado. O «Mistério Pascal» aponta a meta e indica o caminho para lá chegar. Sem «rumo» é que não se chega a lado nenhum. Bem diz o provérbio: «para um veleiro sem rumo, não há ventos favoráveis».


2. A Ressurreição constitui um novo tipo de presença de Jesus, no meio dos Seus: uma presença real, mas invisível – espiritual – que se realiza, precisamente, através do Espírito Santo, que Jesus prometeu enviar e envia, como protagonista da missão de implantar na terra o Reino de Deus: Reino de Justiça, Amor e Paz.

Reino «já» presente e actuante, no mundo em que vivemos, mas «ainda não» completamente realizado. Por isso é objecto de esperança, que compromete, aqui e agora, sob a acção do Espírito Santo, o grande dom do Ressuscitado, que os açorianos veneram, particularmente, no Tempo Pascal. Efectivamente, a Igreja nasce em Pentecostes. Torna-se sinal e instrumento, Sacramento do Reino, precisamente, pelo poder do Espírito Santo, que reúne os homens dispersos numa só família.

Nesse sentido, podemos dizer, com toda a propriedade, que é o Espírito Santo que mais une os açorianos, na riqueza da sua diversidade. É uma comunhão espiritual, que se exprime através da vida comunitária, para a qual muito tem contribuído a Igreja Católica. Na realidade, foi á volta da Igreja e com a Igreja que o povoamento se foi realizando e organizando comunitariamente.

Até podemos dizer que a Diocese foi a primeira experiência de Autonomia. A nível eclesiástico – é verdade – mas com grande impacto na sociedade. Além do resto, pensemos, por exemplo, na acção do Seminário Episcopal – a celebrar, este ano, 150 anos de fundação – que deu um contributo significativo à ideia dos Açores, como um todo.

Evidentemente, a recente experiência de Autonomia contribuiu para consolidar e aprofundar a unidade açoriana. Basta pensar nas facilidades de transportes entre as Ilhas e na melhoria da comunicação social, nomeadamente a Rádio e a TV.


3. Por isso, olhamos com alguma apreensão para a perspectiva de eliminação de programas regionais de Rádio e de Televisão, que têm garantido a informação sobre o que se passa nas paragens mais recônditas das Ilhas. Não podemos reduzir os Açores só às Ilhas com mais população. Que o Espírito Santo a todos ilumine!

Dê o necessário discernimento a quem tem de decidir! E empenho criativo a todos nós cidadãos, para colaborarmos activamente na solução dos problemas, que são de todos nós. Com a certeza de que, após a tempestade vem a bonança e depois do Inverno, a Primavera. É o sentido da Páscoa cristã.

Feliz Páscoa, na esperança que nos vem de Cristo Crucificado e Ressuscitado!


+ António, Bispo de Angra



publicado por magdala às 23:59
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
A partir de 20 de Março de 2009
geocontador
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Arquivos

Julho 2014

Junho 2014

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Favoritos

Magdala

Hiperligações
Mapa
Globo
Países
blogs SAPO
subscrever feeds